Portais da Cidade
Xplosion games

Notícias na 25 de março

Listando: 1 à 5 de 1233
WhatsApp é o app mais usado na tela do celular do brasileiro

Pesquisa Mobile Time/Opinion Box afirma que o WhatsApp é o aplicativo mais usado que está presente na tela inicial dos celulares dos brasileiros. A pesquisa também descobriu que o aplicativo da Netflix é o que contabiliza sessões de uso mais longas.

O relatório fez um ranking dos 20 aplicativos mais presentes nas telas de celulares brasileiros e contou com a ajuda da empresa de monitoria App Annie. O WhatsApp, vencedor do ranking, é o mensageiro mais usado do Brasil: e alcançou tal lugar porque é usada recorrentemente ao longo do dia.

Respectivamente, o TOP 10 de apps mais usados é formado por, respectivamente: WhatsApp, Google, Facebook, Instagram, Chrome, Twitter, YouTube, Spotify, Facebook Messenger e Netflix. Quando falamos sobre presença na tela, mas não quantidade de vezes usadas, o TOP 10 está da seguinte maneira: WhatsApp, Facebook, Instagram, Uber, Facebook Messenger, YouTube, Caixa, Banco do Brasil, Netflix e Twitter.

A Netflix é o aplicativo líder em tempo de sessão: não é por menos, o app exibe apenas vídeos de shows, seriados e filmes. O YouTube, ainda focado em vídeo, fica em segundo lugar. O TOP 3 é fechado pelo Facebook, que agora começa seus esforços para emplacar mais vídeos na rede social.

Abaixo, você acompanha os rankings completos:

Mais presentes na tela inicial



TOP 10
Foto: TecMundo



TOP 10
Foto: TecMundo


(Fonte: TecMundo) - 25/06/2019
SpaceX lança relógio atômico, propulsor "verde" e vela solar de Carl Sagan

ATUALIZAÇÃO (24/06 às 23h): quase aos 45 do segundo tempo, a SpaceX anunciou às pressas que precisará reagendar o lançamento, que começaria pouco depois da meia-noite, para as 3h30 da madrugada (horário de Brasília). A empresa fez o anúncio em sua conta no Twitter, mas até agora não explicou os motivos para adiar em três horas o lançamento. Abaixo, você confere a matéria original na íntegra:

Na madrugada entre esta segunda (24) e a terça-feira (25), por volta da meia-noite, a SpaceX fará um lançamento mais do que especial: além deste ser o terceiro voo de seu foguete Falcon Heavy, o veículo levará consigo diversas cargas interessantes. Entre elas, um relógio atômico e um propulsor "verde" da NASA, além de uma vela solar que foi idealizada pelo célebre cientista Carl Sagan, cofundador da Sociedade Planetária.

Se essas novas tecnologias se mostrarem resilientes às adversas condições espaciais, elas poderão evoluir para a criação de ferramentas valiosas para o futuro da exploração espacial. Além das cargas científicas, o lançamento envolve ainda 24 satélites do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, e como colocar tantos satélites em órbita duma só vez é uma tarefa delicada, além de posicionar os demais equipamentos, Elon Musk chegou a dizer que este voo será o mais difícil da empresa. É que os 24 satélites precisam ser deixados em três órbitas separadas, então o foguete religará seus motores até quatro vezes dentro de seis horas para que cada satélite seja liberado na hora e posição certa.

Relógio atômico da NASA
O Deep Space Atomic Clock é um pequeno relógio mais ou menos do tamanho de uma torradeira, só que é mais preciso do que qualquer relógio da Terra — que podem acelerar ou desacelerar ao longo do tempo. O relógio atômico levará, em teoria, até 10 milhões de anos para apresentar um descompasso de um segundo.

Um relógio atômico mede quanto tempo leva para pequenas partículas transitarem em diferentes estados de energia, e o Deep Space Atomic Clock funciona manipulando íons. Tubos repletos de íons de mercúrio estão em seu interior, e esses íons são perturbados por meio de micro-ondas ajustadas em uma frequência específica. Com isso, os íons se movem entre diferentes estados de energia.

A NASA já usa relógios baseados em mercúrio aqui na Terra, mas esses aparelhos são enormes — do tamanho de um refrigerador —, com dimensões que impedem seu lançamento ao espaço. E outros relógios atômicos menores chegaram a ser lançados ao espaço pela agência, só que eles não eram capazes de manter sua precisão por tanto tempo quanto será o Deep Space Atomic Clock.

Dessa maneira, o lançamento do novo relógio atômico é uma demonstração da nova tecnologia, com a NASA depois analisando se o relógio baseado em mercúrio com dimensões tão enxutas será capaz de funcionar no espaço e manter precisão por tanto tempo quanto prevê. Testes e análises acontecerão ao longo do próximo ano.

Caso o Deep Space Atomic Clock se mostre um sucesso, a ideia é desenvolver outros relógios atômicos do tipo que poderão ajudar espaçonaves a navegar pelo espaço profundo em um futuro não muito distante. Com a tecnologia atual, naves dependem dos controles terrestres para navegar — sondas em Marte, por exemplo, hoje precisam esperar entre quatro e 20 minutos para receber comandos enviados da Terra. Então, se esses exploradores espaciais do futuro contarem com pequenos relógios atômicos em sua estrutura, eles poderão eliminar essa dependência com o nosso planeta, ficando cada vez mais autônomos e precisos.

Propulsão "verde"
"Verde" no sentido de eliminar o uso de materiais tóxicos de propelentes. O Green Propellant Infusion Mission (GPIM), também da NASA, é um veículo que funciona com um novo tipo de propelente desenvolvido pela Força Aérea dos EUA para servir como uma alternativa à hidrazina, que hoje é usada na maioria dos motores de satélites.

O novo material, caso o teste em órbita seja bem-sucedido, será uma boa notícia à indústria espacial: é que a hidrazina pode ser muito reativa à temperatura ambiente e, com isso, emitir gases tóxicos. Ela é transportada em recipientes metálicos especiais e em caminhões com segurança contra explosivos, e as pessoas que participam do transporte precisam usar equipamentos específicos de proteção. Tudo isso, além de ser perigoso, ainda adiciona mais custos e mais tempo para que esse manejo seja feito.

Já o propulsor "verde" da NASA (nitrato de hidroxilamônio) não emite gases nocivos e, a menos que a temperatura do ambiente esteja realmente alta, não haverá risco. Ainda, o material é mais denso e, por isso, mais eficiente para os satélites. Ou seja: com este propulsor, satélites poderão durar mais tempo em órbita com a mesma quantidade de propelente a bordo.

O GPIM será arduamente testado ao longo do próximo ano no espaço, até que o que restar de combustível será usado para a realização de uma manobra para que ele tenha sua altitude reduzida. Então, ele reentrará na atmosfera da Terra, onde será destruído.



A tecnologia idealizada pelo cofundador da Sociedade Planetária está dando mais passos para, quem sabe, se tornar uma realidade. A ideia é impulsionar naves pelo espaço sem o uso de nenhum tipo de combustível — apenas a luz do Sol.

O veículo chamado LightSail 2 é equipado com uma vela extremamente fina projetada para se expandir a ponto de atingir o tamanho de um ringue de boxe, sendo então movida pelo impulso da luz solar — materiais refletores muito fios conseguem se mover pelo espaço, em teoria, somente com esse impulso luminoso.

Esta ideia foi apresentada por Carl Sagan na década de 1970, e agora o também cientista e ex-aluno de Sagan, Bill Nye (atual CEO da Sociedade), está levando o conceito adiante, transformando-o em realidade. Na verdade, em 2015 a Sociedade Planetária chegou a lançar a missão LightSail 1, que foi projetada para testar o mecanismo de implantação da vela solar. A missão foi um sucesso e permitiu o desenvolvimento da LightSail 2, que será lançada hoje para, enfim, testar a tecnologia como um todo.

Os testes envolverão o seguinte: a LightSail 2 mudará sua posição enquanto viaja ao redor do planeta, seguindo na direção do Sol; depois, ela vai ajustar sua vela para capturar ainda mais luz solar, com esse "empurrão" finalmente impulsionando a nave para uma órbita mais alta ao longo do tempo. Se isso funcionar, essa será a demonstração necessária para provar que é possível lançar naves capazes de fazer manobras no espaço sem o uso de propulsores convencionais. No futuro, a tecnologia poderá ser inicialmente usada em pequenos satélites, liberando espaço para que eles levem consigo mais instrumentos e sensores. Ainda, na teoria a tecnologia pode levar materiais para a Lua e também a Marte.

Assista ao vivo
Importantes lançamentos espaciais costumam ser transmitidos ao vivo pela internet — e este do Falcon Heavy não será diferente. A SpaceX transmitirá tudo em tempo real em seu canal no

YouTube
, e você pode acompanhar pelo vídeo abaixo no final da noite de hoje (24):



Se preferir assistir ao lançamento ouvindo explicações e comentários em português, uma opção legal é assistir à live do Mensageiro Sideral, que começará às 0h15:


Microsoft prepara lançamento de novo Xbox para fim de 2020

A Microsoft revelou no domingo sua próxima geração de consoles Xbox, conhecido como "Projeto Scarlett", que está previsto para chegar às lojas no final de 2020.


22/08/2017 REUTERS/Wolfgang Rattay - RC1C30775030
Foto: Reuters

O aparelho será quatro vezes mais potente que o console Xbox One X e será equipado com chip da AMD, afirmou a companhia durante a conferência do Xbox na feira de entretenimento eletrônico E3, em Los Angeles.

O console conseguirá trabalhar com imagens de até 120 quadros por segundo, ou o dobro da média de uma TV, e incluirá unidade de armazenamento SSD, permitindo que os jogos sejam carregados muito mais rápido do que os instalados em discos rígidos.

A versão mais recente do popular videogame "Halo", da Microsoft, será lançada junto com o novo console. A Microsoft também anunciou 14 jogos da Xbox Game Studios, incluindo "Gears 5".

A companhia disse que seu serviço de streaming de jogos "Project xCloud" será lançado em outubro. O Google, na quinta-feira iniciou as pré-vendas de seu serviço de streaming de jogos, Stadia, que será lançado em novembro.

"Dois meses atrás, conectamos todos os desenvolvedores do Xbox ao Projeto xCloud", disse Phil Spencer, vice-presidente executivo de jogos da Microsoft. "Agora, o serviço de streaming de console" transformará seu Xbox One em seu servidor xCloud pessoal e gratuito."

"Quer esteja jogando em um console conectado ao nosso centro de dados ou no seu console em casa, em outubro o jogador poderá utilizar a nossa nuvem para jogar onde quer que vá", Spencer disse.

(Fonte: Arjun Panchadar Reuters) - 17/06/2019
Adobe apresenta Fresco, seu novo app de desenho e pintura

A desenvolvedora Adobe oficializou nesta segunda-feira (17) o lançamento comercial do Adobe Fresco, novo app de pintura e desenho da empresa que tem funções tanto para amadores que querem praticar ou se divertir quanto para profissionais que desejam criar trabalhos incríveis em ilustração e pintura.


Foto: TecMundo

O aplicativo foi mostrado pela primeira vez em outubro de 2018 e tinha o nome de Project Gemini. Agora ele não só foi rebatizado como foi confirmado como um dos integrantes da família de serviços e produtos da Adobe, voltado para a "criatividade espontânea" e trabalhos feitos de forma mais orgânica, sem tantos cálculos e recursos automáticos.

O vídeo abaixo mostra como funciona o Adobe Fresco na prática, que a marca diz ser totalmente voltado à criatividade do usuário.



O serviço foi batizado em homenagem à técnica de pintura em uma superfície úmida e tenta recriar essa sensação. Tons realistas foram adicionados, além das cores comuns e de Live Brushes que usam inteligência artificial para recriar o comportamento da mistura com outras tintas, como se o display fosse mesmo uma tela.

O Photoshop terá uma integração bastante direta com o Fresco em compartilhamento de ferramentas. Além disso, também será possível editar arquivos em PDF do Illustrator, também da Adobe.

Disponibilidade
O app ainda está em desenvolvimento e será disponibilizado de forma gratuita aos usuários, chegando primeiro ao iPad. Ainda não há uma data de lançamento, mas ele já está em fase de testes com grupos selecionados de usuários.

(Fonte: TecMundo) - 17/06/2019
Alexa vai oferecer conversas mais naturais com usuários

O evento re:MARS da Amazon não revelou apenas o fato de que o ator Robert Downey Jr. quer empregar nanotecnologia para limpar nosso planeta. Na ocasião, também foi mencionado que a empresa pretende fazer com que a assistente Alexa passe a ter conversas mais naturais com os usuários.


Foto: TecMundo

Segundo a companhia, a assistente seria capaz de entender com mais facilidade algumas ações para as quais era necessário chamá-la várias vezes. Por exemplo, até o momento, caso precise marcar algum evento, o usuário deve primeiro mencionar um cinema no qual deseja ver um filme e depois procurar por um restaurante por perto de maneira separada, mas isso vai mudar e a Alexa será capaz de manter

o contexto do assunto até ele ser finalizado.

"Estamos pensando em um mundo onde os usuários vão conversar mais naturalmente com a Alexa: transições sem interrupções, fazer perguntas, realizar escolhas e falar da mesma forma como se fosse com um amigo, membro da família ou colega de trabalho. Nosso objetivo é tornar tudo mais direto entre o consumidor e a Alexa", explicou Rohit Prasad, vice-presidente e chefe dos cientistas que

trabalham com a assistente.

Vale mencionar, ainda, não há uma data para que essa novidade esteja disponível para os usuários da assistente da Amazon. É sabido apenas que esse sistema deve ser implementado nos próximos meses, inicialmente nos Estados Unidos.

(Fonte: TecMundo) - 10/06/2019
Listando: 5 de 1233

Anuncie

Sobre o Portal da 25

O Portal da 25 foi lançado em 01 de maio de 2001, tendo como objetivo principal a divulgação de empresas e produtos comercializados na região da rua 25 de março no centro da cidade de São Paulo, focando-se principalmente em produtos voltados para área pessoal e doméstica.